Polícia Civil não consegue cumprir quase 300 mandados de prisão e apreensão em Iguatu e região

Agosto 28, 2015 Sem comentários »
Delegacia de Iguatu que está com a porta quebrada há vários dias. Foto: Alex Santana

Delegacia de Iguatu que está com a porta quebrada há vários dias. Foto: Alex Santana

A situação da segurança pública de Iguatu e região Centro-Sul continua preocupante, além dos militares não possuírem locais para colocar bandidos presos em flagrante ou através de mandados de prisão a cota de combustível que é utilizada para abastecer as viaturas foi reduzida é o que informou durante entrevista a Rádio Liberdade AM de Iguatu o escrivão que atua na Delegacia Regional de Iguatu, Márcio.

São quase 300 mandados que precisam ser cuimpridos, acusados de homicídios, furtos, roubos, tráfico de drogas, menores infratores que precisam ser recolhidos, são muitas as ações mas que devido a falta de material humano e para piorar, a falta de espaço nas cadeias da região, os mandados não podem ser cumpridos.

Só na delegacia de Iguatu, já são 15 pessoas presas que ocupam as celas da unidade de segurança, algo que é proibido e acontece na Terra da Telha.

Os inspetores são prejudicados com isto, muitas investigações que deveriam estar em andamento, não acontecem devido a mudança de função. Os inspetores estão realziando o papel de Agentes Prisionais, cuidando precisamente dos detentos que estão dentro da delegacia, além disto, a casa que recebeu toda aa estrutura da delegacia por um período provisório, continua a ser utilizada. Carros e motos que foram recolhidos após operações policiais continuam a ocupar o espaço na residência e sempre um homem, policial civil permanece no local.

Lembrando para o internauta que a  cadeia de Iguatu está parcialmente interditada devido a uma determinação da justiça. Muitas vezes os inspetores são obrigados a percorrer mais de 400km distância para conduzir um preso para alguma cadeia que geralmente está localizada em alguma cidade da região do Cariri. ” Com isto perdemos tempo para realizar o nosso principal papel que seria a investigação, tem dia que nossos homens passam quase oito horas fora da cidade fazendo o translado de detentos, já que não possuímos espaços em nossas cadeias”, destacou o delegado Luiz Gonzaga em entrevista.

“ Se acontecer um crime, um homicídio a noite, estamos impossibilitados de sair para o local, devido a falta de condições, são dois homens que ficam a noite e não podemos sair da delegacia pois estamos cuidando dos detentos”, disse um inspetor que pediu para não ser identificado.

O golpe final para o setor da segurança pública em Iguatu foi a diminuição da cota e combustível para os militares, no caso da Polícia Civil, a cota mensal que era de R$ 1.200 reais caiu para R$700 reais neste caso para cada veículo, “ quando a cota de combustível acaba, os veículos ficam parados infelizmente esta é a nossa situação”, afirmou o escrivão Márcio em entrevista na Rádio Liberdade AM.

Com informações do Iguatu.net

Assunto Relacionado

Comente