Cid quer diálogo com professores

Janeiro 3, 2015 Sem comentários »

O lema “Brasil, pátria educadora”, lançado na última quinta-feira por Dilma Rousseff em seu discurso de posse para o segundo mandato à frente da Presidência da República, foi o mote do discurso do novo ministro da Educação, Cid Gomes, ex-governador do Ceará, que em sua posse prometeu “melhores escolas, valorização dos professores, profissionais mais felizes e qualidade na educação”.

A cerimônia de transmissão de cargo para Cid Gomes foi um dos eventos mais concorridos na Esplanada dos Ministérios, ontem, onde outros novos ministros foram oficializados em outras pastas. Entre as autoridades que prestigiaram a posse do ministro cearense, estavam o novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, a ministra de Direitos Humanos, Ideli Salvatti, a ministra do Desenvolvimento Social, Teresa Campello, e o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

“Estou preocupado, acho que neste momento o Ceará está acéfalo”, disse Cid Gomes, em tom descontraído, ao destacar a presença do governador do Estado, Camilo Santana, do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, do presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, Zezinho Albuquerque, de vários deputados estaduais, federais, além dos senadores Inácio Arruda (PCdoB) e José Pimentel (PT) e representantes dos setores organizados da sociedade civil cearense.

A transmissão de cargo foi um momento que gerou emoção não apenas para Cid Gomes, mas também para o ex-ministro da Educação Henrique Paim, a começar por uma falha no sistema de som que obrigou o auditório lotado a cantar o Hino Nacional sem acompanhamento musical, o que levou Paim às lágrimas. O ex-ministro também se emocionou ao falar de seus 11 anos no Ministério da Educação e fazer um balanço de todos os avanços conseguidos pela Pasta sob o seu comando

Democratização

Henrique Paim destacou que os últimos 11 anos fecham um ciclo em sua vida pessoal e na educação brasileira, que, segundo o ex-gestor, desde o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem vivendo um período de democratização. Paim ressaltou a parceria que manteve durante sua permanência no Ministério com o ex-governador do Ceará Cid Gomes.

“Antes, a sigla do Ministério era MEC, porque ele também cuidava da Cultura. Eu brincava agora que a sigla continua sendo MEC, porque virou Ministério da Educação do Ceará”. Paim salientou que os projetos desenvolvidos nos últimos oito anos no Estado são referência nacional e que a educação cearense é exemplo para o País. “Quero ressaltar: educação não é privilégio, é direito”, pontuou.

Ao falar de suas prioridades à frente do Ministério da Educação, Cid Gomes reafirmou sua intenção de reformular o ensino médio. “A educação no Brasil é a prioridade das prioridades. O país teve grande êxito com suas políticas sociais e de segurança alimentar, garantindo que o Brasil saísse do mapa da fome e a inclusão de brasileiros em melhores condições de vida. Agora o novo desafio é o da inclusão pelo saber”, afirmou o ex-governador Cid Gomes.

Ainda de acordo com o novo ministro da Educação, o conhecimento e a educação são “o caminho certeiro para o desenvolvimento humano. O povo brasileiro fez do Brasil um dos países mais ricos do mundo, mas, ao mesmo tempo, somos um dos países com as maiores desigualdades do planeta. Somente através da educação será possível superar este quadro injusto”, avaliou o ministro.

Projetos

Cid Gomes afirmou que toda a sociedade brasileira tem que saber a importância da valorização da educação para o desenvolvimento do País. “Todo o esforço do Estado será insuficiente se não contar com o compartilhamento da sociedade na discussão da pátria educadora”, declarou Cid. O ministro ainda informou que se empenhará pessoalmente para aumentar o atendimento às crianças de zero a três anos de idade através de creches. “Vamos universalizar o atendimento de crianças de quatro a cinco anos à pré-escola”.

“Vou desenvolver ainda mais o Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa. Este programa nasceu no Ceará, na minha cidade de Sobral, quando fui prefeito. Depois se estendeu para todo o Estado quando fui governador. O êxito que lá tivemos fez com que o PAIC fosse transformado em uma política nacional”, complementou.

O ministro da Educação disse ainda ter como grande meta melhorar a qualidade do ensino fundamental. “Para o ensino médio temos um desafio especial, que é além de criar o acesso, reformar o seu currículo, compreendendo as características regionais de cada Estado, cada município brasileiro”, alega. Cid afirmou que, para ter sucesso, será precisará do apoio de todos os professores, mestres, universidades e de todo o corpo técnico do MEC.

Conforme Cid Gomes, por determinação da presidente Dilma, já está definida a ampliação do número de escolas de tempo integral em todo o país. “Vamos atuar para garantir que sejam ofertadas 12 milhões de vagas no Pronatec nos próximos quatro anos”, garantiu.

Cid também informou que visitará todas as regiões do país, todas as universidades e institutos federais para conversar com os professores, reitores e estudantes em buscas de suas experiências exitosas. O ministro reafirmou seu compromisso com a inclusão educacional garantida pela política de cotas.

Camilo aponta desafios do Ceará

Apesar de avaliar que a indicação de Cid Gomes para o Ministério da Educação foi um acerto da presidente Dilma Rousseff e reconhecer que a educação no Ceará tem programas que são modelo para todo o país, o novo governador do Estado, Camilo Santana, afirma que ainda há muitos desafios para serem vencidos na educação cearense.

“Tenho certeza que Cid trará toda a sua experiência para o Ministério da Educação. Desde que ele foi prefeito de Sobral e depois governador, com o PAIC ele teve um resultado fantástico, bem como a implantação das escolas profissionalizantes, que o Estado não tinha nenhuma e hoje são 110. Esta experiência o credencia para este desafio”, disse Camilo Santana.

Sobre a educação no Ceará, o governador recém-empossado citou os percalços a serem vencidos no Estado. “Não é que a educação do Ceará vá muito bem. Acho que temos grandes desafios a vencer, principalmente quanto ao ensino médio. Eu tenho o privilégio de ter como minha vice-governadora a ex-secretária de Educação (Izolda Cela), que foi sete anos secretária do Cid e responsável pelos avanços no Ceará”, destacou.

“Hoje nós temos desafios que vão além da educação. A segurança pública é um desafio nacional, mas é uma preocupação que vou tratar pessoalmente. Esta é uma das minhas prioridades, diminuir os índices de violência no Estado, e vou tentar garantir a segurança hídrica no Ceará”, afirmou Camilo, lembrando que o Estado passa por um período de estiagem que se prolonga há mais de três anos e que é preciso concluir as grandes obras de infraestrutura hídrica do Estado.

Refinaria

Acerca do possível prejuízo que as denúncias de corrupção na Petrobras podem trazer à Refinaria Premium II, no Ceará, Camilo Santana afirmou que, de acordo com a presidente Dilma Rousseff, os problemas enfrentados pela Estatal não afetarão as obras no Ceará.

“Na minha conversa com a presidente Dilma ela afirmou que não mudou em nada o compromisso do Governo Federal com a instalação da refinaria. Tanto que o Brasil precisa ter refinarias, para refinar o petróleo, principalmente para refinar o petróleo do pré-sal”, garante.

O petista justifica que a demora no início das obras foi motivada por exigências da petrolífera. “Terrenos, licenciamentos, conflitos com áreas indígenas, ampliação da infraestrutura do Porto de Pecém, investimentos em infraestrutura. Investimos mais de um bilhão de reais para ampliar a infraestrutura, tudo para atender à demanda da refinaria. Portanto, a palavra da presidente é que nada mudará em relação à refinaria do Estado”, alega.

O governador diz esperar que as denúncias envolvendo a estatal sejam investigadas. “Para que as pessoas sejam punidas, aquelas que estejam envolvidas em qualquer tipo de desvio. E que a Petrobras continue sendo um grande patrimônio brasileiro e que nós brasileiros não possamos permitir que a Petrobras deixe de ser esta grande empresa de todos os brasileiros”.

Nomeação de ministro gera expectativa em aliados

A indicação do ministro Cid Gomes para a pasta da Educação repercutiu não apenas no meio político, mas também na área acadêmica. Para o reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Jesualdo Farias, foi muito importante que a presidente Dilma Rousseff tenha escolhido a educação como “a prioridade das prioridades” do novo governo. Ele diz acreditar que a indicação do ex-governador do Ceará para o Ministério aponta para o fortalecimento de ações da área.

“Ele é uma escolha pessoal da presidente, da sua cota pessoal. Isto sinaliza de forma muito visível que ele entra como um ministro fortalecido já de início”, opina o reitor da UFC.

O deputado federal Leônidas Cristino (PROS) afirmou que a escolha da presidente Dilma pelo nome de Cid foi feita com base em sua experiência reconhecida como gestor que priorizou a educação. “Como prefeito de Sobral e como governador, ele fez uma administração transformadora focada na área educacional, tanto que o PAIC virou um programa de nível nacional”, ressaltou.

Já o deputado federal Domingos Neto (PROS) avalia que o lema “Brasil, pátria educadora” é um alento para os jovens de todo o País, não só na área de educação, mas em outros setores. “Precisamos projetar nossa juventude para as oportunidades que vão chegar. Existem grandes desafios a serem vencidos e a presidente Dilma mostrou que quer vencer estes desafios ao escolher o ministro Cid Gomes para enfrentá-los”, disse.

“Nós temos o mapa da violência, que tem colocado recorrentemente entre a juventude os maiores índices de mortes no nosso país. Estes jovens que estão morrendo têm idade, cor e local. São as periferias das grandes cidades. Estes fazem parte do grande número de jovens que estão fora das escolas”, acrescenta.

Escolas técnicas

O senador e próximo secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Inácio Arruda (PCdoB), citou avanços obtidos pela gestão Cid Gomes na área da Educação. “Vamos ter para o Ministério da Educação um dos melhores quadros da política brasileira, que tem ao mesmo tempo a capacidade de ver o conjunto, a floresta, digamos assim, sem perder o foco na árvore. O Cid tem esta capacidade. Governou durante oito anos sua cidade, pegou ela no chão e deixou como uma das melhores cidades nordestinas, do Ceará. Encontrou o Estado sem nenhuma escola técnica profissional e deixa o Ceará com 110, quase 50 mil estudantes”.

O prefeito Roberto Cláudio opina que Cid Gomes é o nome ideal para executar o lema do Governo Federal: Brasil, pátria educadora. “O Cid é um grande empreendedor e tem vinculada à sua vida pública a Educação. Transformou Sobral, pequeno município do interior do nordeste, em referência de qualidade em educação pública brasileira”.

*DN

Assunto Relacionado

Comente